Manaus, 21 de Setembro de 2019
Call Center: 0800-0922626 / (92) 2121-6490

Data Center PRODAM

Alta disponibilidade e segurança dos dados

Data Center

Sistemas de informação

Desenvolvimento de soluções em software sob medida

Sistemas de Informação

Serviço de Infraestrutura

Projetos de redes elétricas e lógicas

Serviços de Infraestrutura

Serviços de Rede

Serviços especializados de rede

Serviços de Rede

Assistência Técnica

Suporte e assistência técnica

Assistência Técnica

SIPEA: conheça o novo sistema da SEAP a ser desenvolvido pela PRODAM

A PRODAM acaba de fechar um contrato com a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP) para desenvolver, implantar e treinar os futuros gestores do Sistema de Informações Penitenciárias do Estado do Amazonas (SIPEA). A nova criação da PRODAM vem como uma solução para o controle e armazenamento de informações sobre os presos das unidades prisionais da capital, e futuramente, de todo o território amazonense.

Durante cerca de 15 meses, colaboradores da PRODAM trabalharão na construção do sistema, que contará com cadastro biométrico dos presos, gestão de informação dos detentos, dados médicos, visitas, reintegração social, enfim, todo e qualquer tipo de informação a respeito do detento e que seja de interesse da administração, inclusive dados disponíveis (de maneira integrada) em outros sistemas de segurança, como o SISP.

O gerente de desenvolvimento de sistemas, José Salvador, comentou que um dos maiores objetivos do SIPEA é tornar a rotina dos funcionários da carceragem mais prática, unindo todas as informações sobre os reeducandos custodiados nas casas de detenção em um só lugar, de forma segura, eficiente e modernizada.

Daniel Gadelha (SPSIS), que gerencia o projeto, destacou que entre os benefícios esperados com o sistema está a eficiência na gestão prisional como um indutor de políticas públicas e acompanhamento do cumprimento da pena privativa de liberdade, prisão cautelar e de medidas de segurança. “Esperamos que com essa base de informações o Estado possa, quem sabe, trabalhar políticas e iniciativas de ressocialização com os detentos”, comentou Gadelha.