Manaus, 23 de Setembro de 2017
Call Center: 0800-0922626 / (92) 2121-6490

Programadora da PRODAM vence competição internacional de jogos

A programadora da Divisão de Desenvolvimento (DIDES) da PRODAM, Juliane Silva, tem mais uma conquista para se orgulhar. Ela e mais dois amigos venceram o 1º Concurso Internacional de Jogos Digitais, promovido pela Organização Latino-Americana e do Caribe de Entidades Fiscalizadoras Superiores (OLACEFS).

O projeto de jogo de Juliane, “Hasta la Vista”, foi um dos dois vencedores do concurso, que tem como premiação o apoio financeiro de US$7.500 (para cada equipe), destinado ao desenvolvimento dos games, cujas temáticas são sérias e de interesse da sociedade.

Juliane contou que soube do concurso da OLACEFS em Brasília (DF), durante a cerimônia de premiação do “Desafio de Aplicativos Cívicos: Controle Social Digital 2016”, realizado pelo TCU. Na ocasião, a programadora havia vencido com o aplicativo “Minha Escola”.

 “Soube por alto, durante o evento de premiação. Meu namorado (o programador Eduardo Freitas), que gosta de jogos e inclusive faz pós em Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos, se interessou de primeira; eu acabei sendo influenciada por ele depois (risos) e influenciando uma colega nossa (a designer Déborah França) a participar com a gente. Mais detalhes do concurso só soubemos mais tarde, quando saiu o edital”, contou Juliane.

Sobre o jogo

Juliane contou que as temáticas exigidas no edital foram: controle social; participação social no ciclo de políticas públicas, e/ou prevenção e combate à fraude e à corrupção. Já os subtemas exigidos foram: accountability; facilitação de denúncia (whistleblower); papel das entidades fiscalizadoras superiores (EFSs); e/ou Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que são metas adotadas pela ONU com 17 objetivos e 169 propósitos que devem ser atingidos por todos os países até 2030.

A temática foi escolhida após, ela e sua equipe, realizarem uma pesquisa sobre cada um dos temas sugeridos, e depois de pensarem bastante, optaram por combate à fraude e à corrupção contra os ODS. “Um exemplo de crime real, cometido contra o ODS de erradicação da pobreza, foi um desvio de R$ 75 milhões que teve, do Bolsa Família para uma campanha política”, afirmou.

Imagem2Inspiração em um clássico dos games

Os amantes de jogos dos anos 80 devem se lembrar do famoso “Where in the World is Carmen Sandiego”, no português, Onde está Carmem Sandiego?”. No game, o jogador era um detetive e tem que encontrar a ladra fugitiva da Interpol Carmen Sandiego. Para resolver os casos e “zerar”, era necessário encontrar pistas e viajar pelo mundo, aprendendo sobre a cultura de cada país.

Inspirados nesse clássico, Juliane, Eduardo e Déborah, resolveram criar o projeto “Hasta la Vista”. O jogo é de investigação e o jogador tem que descobrir quem é e onde está o responsável por crimes reais de corrupção cometidos contra 17 ODS. Juliane contou que foi algo inédito para ela o desafio de desenvolver jogos sérios. “Foi desafiador pensar num jogo que tenha que educar e, ao mesmo tempo, ser divertido”.

A surpresa do resultado e a missão do jogo

O trio competiu sem ter a noção da quantidade de pessoas que estavam disputando com eles o concurso. A surpresa foi satisfatória, ainda mais porque eles terão a chance de tirar do papel o jogo que criaram. “Como o concurso foi realizado à distância e à nível de América Latina e Caribe, não fazíamos ideia de quantos e como seriam os participantes, e muito menos quais seriam as suas ideias de jogos. Foi legal descobrir que fomos escolhidos, tanto por causa do prêmio (risos), quanto porque agora vamos ter a oportunidade de desenvolver o jogo”, declarou.

Agora, ela e o restante da equipe já estão trabalhando na primeira parte do jogo, que será entregue em etapas para o comitê organizador. A cada entrega, o game passará por uma análise e aprovação. Ela conta que pretende que o jogo impacte a vida do cidadão que jogá-lo, de modo que o mesmo conheça mais a fundo os ODS, o benefício do cumprimento deles para a sociedade e a necessidade do controle social dos ODS por parte da população.