Manaus, 27 de Junho de 2017
Call Center: 0800-0922626 / (92) 2121-6490

Software produzido pela PRODAM é usado para mapear a população de pessoas com deficiência

A Prodam desenvolveu o software PVM para a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Seped). Com o software o Governo do Estado deu início a um trabalho pioneiro, de identificação, diagnóstico socioeconômico e mapeamento da população de pessoas com deficiência, no Amazonas. O objetivo é otimizar as ações do Programa Estadual de Atenção à Pessoa com Deficiência ‘Viver Melhor’, permitindo, inclusive, que seja estendido aos municípios do interior, de forma mais ágil e com acompanhamento eficaz.

A diretora do Departamento de Proteção dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Seped, Suellem Oliveira, disse que a secretaria tem, atualmente, aproximadamente 3 mil pessoas cadastradas no programa ‘Viver Melhor’. “Sabemos, no entanto, que essa população é bem maior e que precisamos de um diagnóstico mais completo, que inclua, por exemplo, a situação socioeconômica dessas famílias e o tipo exato de deficiência, de atendimento especializado e de suporte dos quais necessita, em áreas como saúde, moradia, emprego e renda e bem estar”, destacou.

Para desenvolver os trabalhos que estão em andamento, a secretaria conta, atualmente, com as informações já cadastradas no programa e, também, com dados amostrais do Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), que aponta crescimento superior a 96% da população de pessoas com deficiência, do ano 2000 até 2010, de 401 mil pessoas para mais de 790 mil.

O mapeamento, aliado ao levantamento qualitativo da população de pessoas com deficiência do Amazonas, está sendo feito durante as visitas técnicas que são realizadas pelas equipes na capital e serão ampliadas para o interior. Nestas visitas que se dão por demanda espontânea e busca ativa dos casos feitas pelo assistente social e o fisioterapeuta, a finalidade é conhecer as condições de moradia, saúde e outros, guiados por um roteiro específico de levantamento de informações, culminando em relatórios, emissão com parecer de ambos profissionais, possibilitando a realização de encaminhamentos e atendimentos das demandas apresentadas pelo usuário. Neste sentido, os dados coletados e inseridos no PVM, que possui um banco de dados próprio, deverão dar suporte à execução de todas as etapas do programa ‘Viver Melhor’, dividido em três subprojetos – Viver Melhor Acessibilidade, Viver Melhor Reabilitação e Viver Melhor Atividades Motoras.

O analista de négocios da Prodam, Délcio Coelho, explica que o sistema PVM foi desenvolvido em três módulos, para atender demandas específicas dos subprojetos do ‘Viver Melhor’. Uma das funcionalidades do sistema, por exemplo, é a inserção e busca de informações referentes à moradia do cadastrado, considerando a estrutura física da residência e as mudanças que devem ser implementadas para assegurar acessibilidade, observando, inclusive, a necessidade de aquisição de itens básicos assistenciais e de saúde.

O analista destaca que o sistema permite o levantamento de necessidades de cada um dos cadastrados. “O software apontará a quais benefícios a pessoa já tem acesso, além das ações que ainda precisam ser implementadas, de acordo com as metas estabelecidas pelo programa”, afirmou. Os dados coletados estão sendo inseridos no banco de dados do programa de computador, através da internet, por meio de um portal projetado, exclusivamente, para uso dos servidores que atuam no ‘Viver Melhor’.

O sistema deverá ser utilizado, também, pelas demais secretarias de Estado que atuam no programa – Infraestrutura (Seinfra), Assistência Social (Seas), Habitação (Suhab) e Saúde (Susam). A previsão do Governo do Estado é de investir R$ 250 milhões, nas ações do programa ‘Viver Melhor’, nos próximos dois anos. Uma das metas é reformar 20 mil casas de pessoas com deficiência, incluindo a instalação de equipamentos de acessibilidade.

 Por Três Comunicações